quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Guiné - Missionário Batista é morto em ritual

O pastor Michel Loua, 47, nascido em Jacksonville, Texas, foi executado no domingo à noite, 14 de novembro em uma prisão em Guiné, oeste da África. Líderes da igreja chamam sua morte de mártir moderno nesse país de predominância islâmica (85%).


Um novo mártir - De acordo com o artigo de Charles Johnson no jornal Gilmer Mirror, Michel e sua família vieram dos Estados Unidos há quatro anos para participar de um seminário em preparação de evangelizar sua terra natal. Johnson diz que Michel era graduado em Seminário Teológico na Associação Missionária Batista (tradução livre, AMB) em Jacksonville. Ele foi o primeiro a conseguir tal nível de escolaridade em teologia em Guiné.
Michel fez pelo menos quatro viagens de volta à Guiné para verificar as condições da igreja e fazer as preparações para retornar à terra natal com sua família.
Em uma dessas viagens, ele construiu uma casa com quartos para hospedar e ensinar obreiros locais no trabalho de divulgação.
Johnson relata que o pastor não era um estranho no distrito de Upshur. Ele e sua família ingressaram na Igreja Batista Rosewood em dezembro de 2008 onde pregou várias vezes e contribuiu para um avivamento no início de 2008.
O cristão voltou à Guiné pela última vez em junho desse ano. Aparentemente se envolveu na campanha das eleições presidenciais que aconteceriam uma semana antes de sua execução. Havia várias lutas, especialmente entre grupos islâmicos e cristãos. Ele ficou preso por três semanas na prisão da capital da Guiné.
Johnson cita, pelo menos, duas notícias do serviço africano que afirmam que o presidente da Guiné enviou soldados à prisão para oferecer Michel Loua como um sacrifício humano e reforçar a liderança do presidente. Ele escreve que segundo a crença muçulmana do país, era necessário matar um infiel (não muçulmano) para garantir o sucesso da nova liderança. Michel foi torturado, baleado no coração e seu corpo mutilado. Johnson acrescenta que Michel nasceu e foi criado como muçulmano. Ele se converteu a Cristo aos 22 anos. Depois de aceitar Jesus Cristo como seu Salvador, enfrentou perseguição imediata de sua própria família. Sua cabeça tinha uma cicatriz profunda de um apedrejamento inicial de parentes depois de sua conversão. Houve inúmeras ameaças de morte ao pastor desde 1985.
Foi fundamental Michel ter iniciado a evangelização de muçulmanos na Guiné para ajudar a estabelecer pelo menos uma dezena de igrejas em seu país. Mesmo antes de possuir uma Bíblia, ele levou concidadãos para Cristo usando versos do Corão, que falava de Jesus.

A família - Os sobreviventes da família Loua incluem sua esposa Elisabeth, com quem era casado há 15 anos, um filho, Joal, 14, duas filhas: Débora, 12, e Maria, de 4 anos. Elisabeth também está esperando o nascimento de seu quarto filho em cerca de três semanas que deve ser chamar Michel.
Um culto em memória de Michel Loua foi realizado terça-feira, 23 de novembro, na Igreja Batista Woodland Heights em Jacksonville, onde várias pessoas da região estavam presentes. Pelo menos dois fundos foram criados para ajudar a ajudar a família Loua.


Publicado em Portas Abertas
Tradução: Yara Ferreira

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

A poderosa Palavra de Deus - Testemunhos dos Gideões Internacionais


Na Convenção Internacional dos Gideões realizada em julho/2008, na cidade de Louisville, Kentucky/EUA, o mesmo local onde o Ministério iniciou a colocação de Bíblias nos hotéis em 1908, alguns testemunhos foram compartilhados e estão reproduzidos aqui para a nossa edificação:

O SENHOR PODE ME APRESENTAR AO DR. JESUS?” - Testemunho da Índia
Essa pergunta foi feita a um pastor na Índia. O jovem rapaz que fez a pergunta, mora em uma cidade onde uma forte epidemia de gripe havia chegado. Seu pai contraiu a infecção e estava perdendo a visão de ambos os olhos. Os Gideões haviam distribuído recentemente Novos Testamentos na escola para rapazes e ele começou a ler o seu NT. Ele leu o milagre de Jesus curando o cego de Bartimeu em Marcos 10 e ficou surpreso com a história. Ele pegou seu NT e levou para o pastor mais próximo e pediu para ser apresentado ao “Dr. Jesus”. O pastor ministrou para esse rapaz e orou com ele para que Deus curasse a visão física do seu pai e abrisse os seus olhos espirituais. Deus curou a visão do pai e o jovem rapaz foi para a faculdade e hoje é um pastor na Índia.

“LOUCOS” PELA PALAVRA DE DEUS - Testemunho da Venezuela
Um adolescente na Venezuela começou usar drogas e roubar das pessoas para comprar mais drogas. Quando sua família tentou impedi-lo, ele ficou violento. Agrediu sua mãe muitas vezes e foi levado para a prisão. Mais tarde, foi levado para um hospital psiquiátrico. Os Gideões visitaram o hospital um dia e deram ao jovem rapaz um NT. Ele começou a ler regularmente. Durante uma consulta ele contou para o médico tudo sobre Jesus. Não sendo cristão, o médico pensou que a cabeça do rapaz estava piorando e disse que ele nunca sairia do hospício. Finalmente, o adolescente teve a chance de se consultar com um outro médico. Este constatou que o rapaz estava bem. Ele teve alta do hospício e começou a estudar em um Instituto Bíblico. Hoje ele é pastor. Surpreendentemente, o primeiro médico, que pensou que o rapaz não tinha solução, ouviu sobre a nova vida do adolescente e ficou pensando o que poderia tê-lo mudado tão drasticamente. Ele começou a ler o NT que havia recebido dos Gideões e também entregou sua vida a Cristo e agora é um missionário.

ELE NÃO PÔDE ESCAPAR DA PALAVRA DE DEUS - Testemunho de Madagascar
Um prisioneiro que ganhou um Novo Testamento dos Gideões começou a rasgar as páginas e jogar para fora da janela de sua cela. Com o vento, as folhas começaram a voar de volta para a janela da cela. Surpreso, esse prisioneiro colocou uma das páginas no seu bolso. Mais tarde, ele pegou a página e leu João 3:18, “Quem crê nele não é condenado...” O prisioneiro queria saber mais, mas havia rasgado o seu Novo Testamento. Então, pegou outro NT de um colega prisioneiro. Ele leu, se entregou para Deus e foi salvo.

O HOMEM MAIS FELIZ DO MUNDO - Testemunho do Líbano
Um homem de 30 anos, no Líbano contraiu uma doença no sangue. As duas pernas, uma das mãos e parte da outra mão tiveram que ser amputadas. Mas, ainda tinha a doença. Ele entrou em depressão e estava pronto para acabar com a sua vida. No entanto, os Gideões trouxeram um Novo Testamento enquanto ele estava no hospital. Ele leu e orou a Deus, pedindo cura. Deus o curou da doença e agora, ele está muito feliz casado. Seus médicos disseram que ele não poderia ter filhos, mas Deus presenteou-o com filhos também. Hoje, ele é um Gideão e diz, “Eu sou o homem mais feliz do mundo.”

A BÍBLIA QUE ELA IA QUEIMAR, COLOCOU FOGO NO SEU CORAÇÃO - Testemunho da Tailândia
Uma jovem moça, que era conhecida como um profunda e convicta muçulmana, estava viajando e visitou um hotel em Bangok. Ali, ela encontrou uma Bíblia dos Gideões. Ela a colocou na sua bagagem com intenção de queimá-la mais tarde. Ela esqueceu da Bíblia por algum tempo, mas um dia ela a pegou e começou a ler. Essa jovem moça foi salva e agora, é uma evangelista e líder do ministério de avivamento.



SAIBA MAIS SOBRE OS GIDEÕES: http://portal.gideoes.org.br/ 

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Guardadores de bagagens

Em I Samuel, capítulo 30, versos 1 a 25, temos uma lição especial. Aprendemos que todos podem contribuir para vitória, mesmo que o trabalho que fazem não pareça importante nem seja divulgado.

Diz o texto sagrado que duzentos homens da tropa de Davi não puderam continuar uma perseguição aos amalequitas por estarem exaustos demais (verso 10, NVI). Ficaram antes do ribeiro com as bagagens dos demais soldados. Com quatrocentos homens restantes Davi venceu a batalha, libertou cativos, recuperou o que foi saqueado e trouxe muitos despojos.

Alguns soldados de baixa índole sentiram-se ofendidos com a idéia de que os guardadores de bagagens pudessem ser participantes do prêmio pela vitória. Davi, com extrema sabedoria diz "quem ficou atrás com a bagagem deve receber o mesmo que aquele que lutou na batalha (verso 24, TLH)"  e a partir de então isso virou decreto (veja também Números 31:26-27).

Na tarefa missionária nem todos podemos ir ao front pelos mais variados motivos, todavia, como parte do mesmo exército podemos fazer alguma coisa: cuidar das bagagens de quem está na luta.

O Espírito Santo vocaciona, revela e envia através da igreja missionários para o mundo todo e muitos destes deixam para trás uma vida confortável e segura para se exporem a riscos de todo o tipo em nome do Evangelho. A igreja que aqui fica guarda suas bagagens contribuindo para o sustento de missões e missionários, orando incessantemente por suas vidas e por seu trabalho para que nunca desvaneçam mesmo quando o resultado não é visto imediatamente, apoiando com palavras, cartas, emails, fotos e vídeos que transmitam a certeza de que o missionário não está só mas que toda a igreja o acompanha. Por vezes o enviado precisa tanto ouvir uma só palavra de ânimo e coragem. É sua bagagem emocional que está pesada e como guardadores, cada um de nós pode ser canal de Deus para levantar e esforçar o servo que luta.

O mais interessante é que o galardão do missionário que vai é exatamente igual ao missionário que guarda a bagagem. Note bem, do MISSIONÁRIO que fica guardando a bagagem e há diversas formas de ser missionário: o que é enviado e vai, o que ora, o que contribui, o que fomenta missões, o que apóia direta e constantemente etc.

Pense nisto e se aliste nesse exército. Pode ser que seu trabalho não esteja estampado nos jornais nem apareça nos boletins de sua igreja, mas diante do General Jesus, sua contribuição vigilante, fiel, constante, terá uma recompensa.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

O Semeador e o Ceifeiro

.
.


Semeei a semente, sim, na primavera
Reguei-a com lágrimas, choro e dor
Mas outro, talvez, ceifará o meu trigo
Com gozo trazendo ao Senhor

Vez, após vezes a minha alma sente
Angústia e o choro do semeador!
Mas o que semeia, tanto como o que ceifa
Terão recompensa das mãos do Senhor!

O ceifeiro recolhe com gozo os frutos
Nem sempre  sabendo a dor que custou
Para quem trabalhou tanto no sol ou chuva
E com paciência, a semente plantou!
 


Intérprete: Ozéias de Paula
Álbum: Cem Ovelhas (1973)

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Irã - Pastor acusado de apostasia é sentenciado à morte


O pastor cristão Yousef Nadarkhani foi acusado de apostasia, o que implica na sentença de morte no Irã.

Autoridades dizem que ele seria executado no domingo, dia 24 de Outubro. Sua esposa foi sentenciada a
prisão perpétua.

Youcef liderava uma das maiores comunidades protestantes iranianas e foi marcado por converter muçulmanos a Cristo.

Ele foi preso no começo do mês após a negar a decisão de autoridades locais que o forçava a ler a Alcorão a crianças cristãs.

No domingo, cristãos e ativistas dos Direitos Humanos ainda apelavam pela liberdade do casal.

Tradução: Carla Priscilla Silva

FONTE: Notícias Cristãs com informações do Portas Abertas via CBN.News

Veja lista de prisioneiros cristãos (em inglês) AQUI
Ore pela vida e pelas famílias dos missionários no mundo inteiro, especialmente nos países  intolerantes ao Evangelho.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Afeganistão: a cultura do abuso sexual

Foto BBC
As mulheres no Afeganistão são proibidas de dançar em público, mas garotos são obrigados a dançar vestidos de mulher, e muitas vezes sofrem abuso sexual.

Em uma festa de casamento em um vilarejo remoto no norte do país, após a meia-noite, não há sinais dos noivos, nem de mulheres, apenas homens. Alguns deles estão armados, alguns tomam drogas.


A atenção de quase todos está sobre um garoto de 15 anos, que dança para o grupo em um vestido longo e brilhante, com sua face coberta por um véu vermelho.

Ele usa seios postiços e sinos presos aos calcanhares. Um dos homens oferece a ele algumas notas de dólar americano, que ele pega com os dentes. Esta é uma tradição antiga, chamada bachabaze, que significa literalmente "brincando com garotos".

O mais perturbador é o que acontece após as festas. Com frequência, os meninos são levados a hotéis e sofrem abusos sexuais. Os homens responsáveis pela prática são comumente ricos e poderosos.

Alguns deles mantêm vários bachas (meninos) e os usam como um símbolo de status, como uma demonstração de sua riqueza.

Os meninos, alguns deles ainda pré-adolescentes, são normalmente órfãos de famílias muito pobres.

FOME
A reportagem da BBC passou vários meses tentando encontrar um garoto que se dispusesse a falar sobre sua experiência. Omid (nome fictício) tem 15 anos. Seu pai morreu trabalhando no campo, ao pisar sobre uma mina.

Como filho mais velho, ele é responsável por cuidar de sua mãe, que mendiga pelas ruas, e de dois irmãos mais jovens. "Comecei a dançar em festas de casamento quando eu tinha 10 anos, quando meu pai morreu", ele conta.

"Estávamos passando fome, então não tive escolha. Às vezes temos que dormir de estômago vazio. Quando eu danço em festas, ganho uns US$ 2 ou um pouco de arroz", diz.

Questionado sobre o que acontece quando as pessoas o levam aos hotéis, ele baixa a cabeça e faz uma longa pausa antes de responder.

Omid diz que recebe cerca de US$ 2 pela noite, e que às vezes sofre abusos sexuais de vários homens.

Ele diz que não pode recorrer à polícia por ajuda. "Eles são homens poderosos e ricos. A polícia não pode fazer nada contra eles", diz.

A mãe de Omir tem pouco mais de 30 anos, mas seu cabelo é branco e seu rosto enrugado. Ela parece ter pelo menos 50. Ela conta que tem apenas um quilo de arroz e algumas cebolas para o jantar, e que não tem mais óleo para cozinhar.

Ela sabe que seu filho dança em festas, mas ela está mais preocupada sobre o que eles vão comer no dia seguinte. O fato de que seu filho está vulnerável aos abusos está longe de sua mente.

GOVERNO AUSENTE
Poucas foram as tentativas das autoridades locais de combater a tradição do bachabaze. Muhammad Ibrahim, chefe-adjunto da polícia na província de Jowzjan, nega que a prática continue.

"Não tivemos nenhum caso de bachabaze nos últimos quatro ou cinco anos. Isso não existe mais aqui", garante. "Se encontrarmos algum homem fazendo isso aqui, vamos puni-lo", afirma.

Mas de acordo com Abdulkhabir Uchqun, um deputado do norte do Afeganistão, a tradição não apenas se mantém, como também está em crescimento. "Infelizmente isso está aumentando em quase todas as regiões do Afeganistão. Eu pedi a autoridades locais que atuassem para interromper essa prática, mas eles não fazem nada", diz. "Nossas autoridades estão muito envergonhadas para admitir até mesmo que isso exista", afirma.

O Islã também não tolera a prática, segundo o Grande Mulá do santuário de Ali em Mazar-e Sharif, o lugar mais sagrado do Afeganistão. "O bachabaze não é aceitável no Islã. Realmente, é abuso infantil. Isso está acontecendo porque nosso sistema de Justiça não funciona", afirma.

"O país tem estado sem lei por muitos anos, e os órgãos responsáveis e as pessoas não conseguem proteger as crianças", diz.
Os garotos dançarinos são recrutados ainda bem jovens por homens que passeiam pelas ruas procurando garotos afeminados entre grupos pobres e vulneráveis. Eles normalmente oferecem dinheiro e comida a eles.

DIREITOS HUMANOS
A Comissão Independente de Direitos Humanos, em Cabul, é uma das poucas organizações que tentou combater a prática do bachabaze. O diretor da organização, Musa Mahmudi, diz que ela é comum em várias partes do Afeganistão, mas diz que nunca houve estudos para determinar quantas crianças sofrem abusos em todo o país.

Ele aponta para a rua em frente ao seu escritório para mostrar como é difícil proteger as crianças no país. As ruas do Afeganistão estão cheias de crianças que trabalham. Elas engraxam sapatos, mendigam, juntam garrafas plásticas para vender. Elas se dispõem a fazer qualquer trabalho para ganhar algum dinheiro, diz Mahmudi.

Todos os afegãos com os quais a reportagem da BBC falou sabiam sobre o bachabaze. Muitos afirmavam que ele só existe em áreas remotas. Mas a reportagem acompanhou uma festa noturna em uma área antiga de Cabul, a menos de 500 metros do palácio de governo. Lá, Zabi (nome fictício), um homem de 40 anos, se disse orgulhoso de ter três garotos dançarinos.

"Meu bacha mais novo tem 15 anos, e o mais velho tem 18. Não foi fácil encontrá-los. Mas se você fizer um esforço, pode encontrá-los", ele diz.

Zabi diz que tem um bom emprego e que dá dinheiro a eles. "Nós temos um círculo de amigos próximos que também têm bachas. Às vezes nos encontramos e colocamos roupas de mulher e sinos para dança nos nossos bachas e eles dançam para nós por duas ou três horas. Isso é tudo", afirma.

Ele diz que nunca dormiu com um dos garotos, mas admite que os abraça e beija. Mesmo ao ser questionado se isso também não é errado, ele diz: "Algumas pessoas gostam de briga de cachorros, outros de briga de galos. Todos têm seu hobby. O meu é bachabaze".

Quando a festa termina, às 2h da manhã, um adolescente ainda está dançando e oferecendo drogas aos homens à sua volta. Zabi não é especialmente rico ou poderoso, mas ainda assim tem três bachas. Há muitas pessoas que apoiam essa tradição em todo o Afeganistão, e muitas delas são influentes.

O governo afegão não é capaz --e muitos dizem que também não tem interesse-- de combater o problema. O governo está enfrentando um movimento de insurgentes, com a permanência de tropas estrangeiras no país. O sistema judicial é fraco e a pobreza é generalizada. Milhares de crianças estão nas ruas tentando ganhar dinheiro. O bachabaze não é prioridade.

Publicado na edição On Line da Folha de São Paulo, 09/09/2010.
Foto: Care2

Oremos por essa nação tão atribulada. Atualmente, o Afeganistão é um dos países menos alcançados do mundo pelo Evangelho. Existem 48 mil mesquitas e nem um único prédio de igreja, nem mesmo uma comunhão de crentes. Pouco esforço tem sido divulgado no sentido de ajudar esse pobre país.

Saiba mais:
O Chamado e o Ide

Evangeliza Brasil (AMME)

Portas Abertas

Esperança e Fé (Marconi Pimenta)
Care2 (em inglês) - Documentário sobre os Bacha Bazi

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Khadafi quer que o Islã seja a religião oficial da Europa

Agencia France Press

O ditador líbio Muamar Khadafi defendeu nesta segunda-feira (30/8) que o islã seja transformado na "religião de toda a Europa" durante um discurso para 500 mulheres em Roma, onde está em visita oficial, informou a mídia italiana.

Depois da palestra, cada jovem recebeu 80 euros e uma cópia do Alcorão.

Kadhafi explicou que "o islã deve se transformar na religião de toda a Europa, e Maomé era o último profeta", segundo uma das participantes, citada pelo jornal Stampa.

"Para nós foi realmente tedioso. Kadhafi não sabia que haviam nos pagado, senão não teria aceitado o encontro", revelou ao Republica uma das mulheres, de 25 anos, que pediu o anonimato.

A agência que recrutou as mulheres pediu que se vestissem de maneira sóbria, e indicou que aquelas que falariam com a imprensa não seriam pagas.

Kadhafi chegou a Roma no domingo.

Fonte: Correio Braziliense

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Brasileiro detido no Egito por portar uma Bíblia

Renata Giraldi - Repórter da Agência Brasil (agência noticiosa estatal)

Brasília – Um brasileiro, que trabalha como guia turístico, foi preso hoje (24/08) no Cairo (Egito) acusado de proselitismo religioso – propaganda e convencimento. A prática é considerada crime pelo governo egípcio, cuja maioria da população é muçulmana. Informações preliminares indicam que o brasileiro foi flagrado com uma Bíblia e material religioso cristão.

O Ministério das Relações Exteriores e o Itamaraty acompanham o assunto. Diplomatas, no Egito, tentam o contato com o brasileiro, cuja identidade ainda não é conhecida, para verificar se ele precisa de algum tipo de apoio e se está assistido por um advogado.

De acordo com a assessoria do Ministério das Relações Exteriores, o brasileiro vive há algum tempo no Egito e trabalha como guia turístico. Ele foi detido com duas brasileiras. Mas as mulheres foram liberadas logo depois da prisão.

Saiba Mais: Cristianismo Radical

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

A Campanha Evangelizadora da AD em Casa Amarela

Campanha Evangelizadora reunida em frente ao templo de Casa Amarela
Fotografia feita entre os anos de 1951/1952

Em 16/07/1947 foi fundada a primeira Campanha Evangelizadora da Assembléia de Deus em Pernambuco, nome dado ao grupo de irmãos que sai a evangelizar de porta em porta nos domingos à tarde. Também conhecida por muitos anos como a Campanha da Mocidade pois seu início foi marcado pela atuação de toda a juventude da igreja. Hoje, todas as faixas etárias participam da Campanha Evangelizadora.

Tudo começou pelo desejo e dedicação de um grupo de jovens impulsionado pelo Espírito Santo de Deus que, insatisfeitos com suas tardes dominicais vazias depois de passarem a manhã na Escola Dominical, pensaram em sair para visitar enfermos e pregar a Palavra de Deus nas casas e ruas circunvizinhas.

Deus falou ao coração da jovem Edite Teotônia e ela compartilhou
o trabalho que Deus lhe havia proposto com outros jovens e todos sentiram o mesmo desejo em seus corações. Levaram o assunto ao então Pastor Presidente José Bezerra que, juntamente com sua esposa, disseram ao grupo: “Este trabalho é de Deus”. Em comum acordo os jovens então pediram ao Pastor José Bezerra que sua esposa, irmã Mafra, ficasse como orientadora do grupo.

E foi numa quinta-feira, dia 16 de julho de 1947, feriado municipal, que eles combinaram um dia inteiro de jejum e oração, das 08:00h as 17:00h.
Neste dia estavam presentes alguns presbíteros e cooperadores. O Pr. José Rosa fez a leitura bíblica em Hebreus 11:24-25 e o Senhor se fez presente de maneira gloriosa!

Durante o trabalho, o Pr. José Bezerra, muito entusiasmado, convocou todo o grupo à frente para receberem a oração da igreja. O grupo era composto pelos seguintes irmãos: Antônio Santiago Ribeiro, Salatiel Rosa, Hermenegildo Cândido, Manuel Batista, Clarice Ribeiro, Maria José, Maria Amaral, Edite Teotônia, Natércia e a irmã Noêmia Carlos. O Pr Jose Bezerra oficializou o trabalho realizando naquele momento a inauguração do 1º grupo de Evangelismo da AD pernambucana, colocando-o sob a direção da irmã Edite Teotônia.

No domingo seguinte saíram todos a evangelizar a localidade de Vasco da Gama e ao visitar a casa da
Sra. Severina Bandeira anunciaram a palavra de Deus. Esta creu e aceitou a Jesus como Salvador juntamente com sua filha Lizete, que na época era uma criança. Estes foram os dois pioneiros frutos deste trabalho de Evangelização.

Hoje a irmã Severina Bandeira dorme no Senhor a irmã
Lizete é a esposa do Pr. José Pereira da Silva, um dos mais conhecidos nomes da AD em Pernambuco.

Muitas vezes ao retornar do campo de evangelização, o grupo dobrava os joelhos na secretaria da igreja aguardando em oração o início do culto noturno, levantando-se por vezes molhados de suor, mas com a alma cheia do poder do Espírito Santo e com muitas promessas e revelações de Deus para suas vidas. Não é por acaso que muitos daqueles jovens foram chamados ao ministério da Palavra e serviram ao Senhor como Pastores, dirigentes de Campanhas e Círculos de Oração.

A Campanha expandiu-se sobremaneira e seus ramos chegavam até a lugares distantes como Camaragibe e Aldeia. Vários pontos de pregação foram fixados, como é o exemplo das congregações em Alto da Saudade, Vila Aritana, Guabiraba, Córrego do Jenipapo - esta erguida primeiramente em palha e capim - e a do Córrego da Areia, cujo trabalho se iniciou com um ponto de pregação embaixo de um pé de caju;

Por fim, quase todas as congregações mais antigas da região são frutos da Campanha Evangelizadora em Casa Amarela. Por sua vez, estas se multiplicaram e seus pontos de pregação também se tornaram outras congregações mais novas como por exemplo: Alto 13 de Maio, Alto das Pedrinhas, Rua Dois de Fevereiro, Alto da Esperança dentre outras.

A Campanha também realizou diversas viagens missionárias e é memorável a que aconteceu em 1950, quando o Pr José Bezerra alugou dois ônibus e enviou a Campanha juntamente com o Coral da Igreja para um grande trabalho em
Caruaru, sendo o trajeto muito penoso e demorado, mas o fervor e a alegria suplantavam qualquer dificuldade que sobreviesse àquele grupo de irmãos, jovens e crianças. Também é lembrada a viagem missionária à Paraíba na mesma década. Uma foto destes eventos me foi mostrada por uma irmã e se puder vou digitalizá-la para postar depois.

Extensão no Presídio - A Campanha Evangelizadora foi além dos horizontes! Foi a primeira a evangelizar os Presídios de Pernambuco, trabalho iniciado em 1978 no Presídio de Itamaracá através da irmã Neves, que já dorme no Senhor, juntamente com as irmãs Maria José, Maria de Lourdes e Edite Barbosa.

Discipulado - Foi também no seio desta Campanha, no início da década de 80, que surgiu o primeiro grupo de Discipuladores da Assembléia de Deus em Recife, idéia de alguns jovens que integravam o Coral Juvenil Amisadai (Rildo, Uziel Braga, Augusto dentre outros) e logo abraçada pela direção da Campanha. Mais tarde foi criado o Discipulado Infantil com jovens desta campanha iniciando trabalhos nas comunidades da Torre, Casa Forte e Poço da Panela.

Hoje esse trabalho está implantado em todas as Congregações da Convenção da AD em Pernambuco,
igreja presidida pelo Pr Ailton José Alves e com a supervisão da Superintendência de Campanhas Evangelizadoras, e todos os domingos à tarde e em outros dias da semana à noite, um verdadeiro exército sai pelas ruas e valados, sobe os altos e morros da cidade, vai aos lugares mais soturnos, adentra hospitais e até cemitérios, estende cartazes e faixas nos cruzamentos e avenidas e de porta em porta leva a Palavra de Deus, orando pelos enfermos, visitando lares, promovendo cultos nas praças e outros logradouros públicos dizendo que Jesus salva, cura, batiza com Espírito Santo e que em breve voltará.

O Senhor deu a palavra; grande era o exército dos que anunciavam as boas novas.
Salmos 68:11

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Ateu declara: A África precisa de Deus

Por Matthew Parris
Publicado em The Sunday Times

Antes do Natal, e 45 anos depois, voltei ao país que enquanto criança conhecia como Nyasaland. Hoje é o Malawi e o “Times Christmas Appeal” inclui uma pequena organização de caridade a trabalhar por lá. A Pump Aid ajuda as comunidades rurais a instalar bombas de água simples, permitindo às pessoas da vila manter os seus poços selados e limpos. Eu fui lá para ver este trabalho.

Isto não só inspirou-me como renovou a minha debilitada fé em caridades focadas no desenvolvimento.

Mas ao viajar pelo Malawi outra fé pessoal foi renovada: uma que tenho tentado banir durante toda a minha vida, mas uma observação que eu tenho sido incapaz de evitar desde a minha infância. Esta observação não só confunde as minhas crenças ideológicas, mas também não se ajusta à minha cosmovisão e é um embaraço para a minha crescente fé de que não há Deus.

Hoje, um ateu confirmado, fiquei convencido da enorme contribuição que o evangelismo Cristão traz para África: vincadamente distinto do trabalho das Organizações Não Governamentais (ONG) seculares, projectos governamentais e esforços internacionais de caridade. Estes por si só não fazem o trabalho. A educação e o treino por si só não são suficientes. Em África o Cristianismo muda os corações das pessoas. Traz transformação espiritual. O renascer é real. A mudança é benéfica.

Eu costumava evitar esta verdade aplaudindo – o quanto era possível – o trabalho prático das igrejas missionárias em África. É uma pena, dizia eu, que a salvação faça parte do pacote, mas os Cristãos – negros ou brancos – verdadeiramente curam os enfermos, ensinam as pessoas a ler e escrever. Apenas uma forma severa de secularismo poderia ver um hospital ou uma escola e afirmar que o mundo estaria melhor sem isso.

Eu condescendia de que se a fé era necessária para motivar os missionários, que seja: mas o que conta era a obra e não a fé.

Mas isto não se ajusta aos factos. A fé faz mais do que apenas suportar os missionários; a fé também transformava o rebanho. Este é o efeito que é tão importante e que eu não posso deixar de observar.


Veja o artigo completo (em inglês) aqui.

Replicado em Darwinismo

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Índia - professor cristão tem braço decepado por extremistas


Um grupo de criminosos desconhecidos deceparam a mão e o braço direito de um professor universitário, acusado de difamar o profeta Maomé. O fato ocorreu neste fim de semana em Muvattupuzha, distrito de Ernakulam. Sajan K. George, presidente da organização Global Council of Indian Christians condena esse ato bárbaro e relembra que a sharia não é a lei da Índia. De acordo com a polícia, o professor T. J. Joseph (foto) estava voltando com sua família do culto de domingo quando um grupo em uma van o fechou, quando já estava perto de sua casa. Após forçar Joseph a sair do carro, eles o atacaram com facas e espadas, e então deceparam a mão e o braço direito do cristão.

O professor foi levado imediatamente ao hospital em Muvattupuzha, e então foi transferido para outro local, especializado em cirurgias de reconstituição, onde os médicos tentaram implantar a mão de Joseph. O professor também sofreu ferimentos graves em seu corpo, e precisa de cirurgia Plástica. Joseph, professor da Universidade Newman, estava em liberdade condicional. Em março, ele preparou uma prova para seus alunos que, de acordo com os muçulmanos, continha perguntas ofensivas a Maomé.

Devido a uma série de protestos de grupos muçulmanos, ele foi suspenso da escola. Mais tarde, Joseph se desculpou publicamente por seu “erro inconsciente”. A mãe do cristãos conta que seu filho continuou a receber ameaças. Enquanto isso, a polícia encontrou a van dos criminosos, vazia, e o “número de registro do veículo é falso”. Um dos presos é ativista da Frente Popular da Índia, um grupo de direita antes chamado de Frente de Desenvolvimento Nacional, muito forte em Kerala.

A irmã de Joseph, Mary Stella, afirma que os “criminosos destruíram a janela do carro e pularam em seu irmão para matá-lo”, ela conta. “Minha pobre mãe, que estava no carro conosco, testemunhou o crime”. O ministro da educação, M. A. Baby, condenou o acidente, expressando seu desagrado pois uma simples pergunta de prova foi transformada em um conflito religioso. Sajan K. George quer que a justiça seja feita o mais rápido possível, e espera que “a queixa não desapareça dos registros da polícia por causa de ameaças de muçulmanos em Kerala”.

Fontes: Portas Abertas, Cath News Índia, Artur Eduardo

A Índia faz parte de minha lista de países pelso quais intercedo a Deus. Eu vejo mais de um bilhão de ovelhas perdidas, sem pastor, caminhando apressadamente para o inferno. Apesar do esforço de muitas igrejas, ainda é pequenino o número dos que anunciam a Boa Nova naquele país tão carente.

Como fiz em outras postagens sobre este país, mais uma vez conclamo os amigos leitores deste blog e amantes de Missões a orar para que o Senhor envie mais ceifeiros para aquele grande campo.

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Notícias da Índia via e-mail

Amados Pastores e Amigos,

Que a graça e a Paz de nosso Senhor estejam sobre todos!

Nunca deixamos de agradecer a Deus pela vida de todos vocês e dos pastores na Índia pelo labor que cada um tem feito para o Senhor. Nós no campo e vocês na retaguarda com suas orações e ofertas.

No último informativo do mês passado, informamos sobre a necessidade de conseguirmos mantenedores para a continuidade do trabalho na Índia e, agradeço a Deus por que algumas pessoas aceitaram o desafio e já começaram a nos ajudar, a meta ainda está longe de ser alcançada, mas, temos a certeza que podemos contar contigo e que Deus usará sua vida para ganhar almas na Ásia através de suas ofertas e apoio mensal.

As crianças do orfanato estão ainda de férias desfrutando um pouco do descanso, mas, mesmo assim não param de estudar já se preparam para o começo de outro ano letivo.

O verão na Índia já chegou muito forte atingindo a temperatura de 42 graus, mas, mesmo assim nossos irmãos não se desanimam em cultuar ao nosso Deus.

Gostaríamos de pedir oração para o Timothy, filho do Pastor Badri, que está tendo um grave problema no estômago, não tem conseguido se alimentar e tem perdido muito peso. Ele acaba de completar 6 anos e está pesando 11 kg. Já fizeram o teste de tuberculose e graças a Deus não deu positivo, mas, estamos muito preocupados com sua condição por não poder se alimentar e também porque os médicos não sabem dizer o que está acontecendo e informaram que isto pode levar um tempo para ter um diagnóstico correto. Contamos com suas orações pela a vida do pequeno Timothy.

Gostaria de informar também que a obra tem se estendido para outras partes além do Norte da Índia e estamos entrando no Líbano e na Síria. Glória a Deus por isso.

Meus amados, tanto nós assim como os pastores locais indianos, temos dedicado nossas vidas para levar o evangelho aos lugares mais distantes desta terra, e, saiba que cada um de vocês faz parte desta comissão dada pelo nosso Senhor através das suas orações e ofertas.

Na Seara do Mestre.

Pastora Elisa Melo

Você pode mandar sua oferta através do nosso site www.rasiaministries.org “DONATE”.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

África do Sul - Feiticeiros sacrificam animal para "benzer" a Copa


A Organização de Curandeiros Tradicionais sul-africanos (THO, sigla em inglês) sacrificou nesta terça-feira (25/05) um boi a facadas em frente ao estádio Soccer City, em Joanesburgo, que receberá a abertura e a final da Copa do Mundo da África do Sul, para abençoar o torneio, informou a imprensa local. O propósito do ritual era "dizer aos antepassados que o mundo está vindo à África do Sul", disse ao diário "The Star" Mandla Qeleqele, um membro da organização.

O encarregado de cravar a faca entre os chifres do animal, perante cerca de dois mil curandeiros especializados em medicina tradicional sul-africana, foi o guerreiro septuagenário da etnia xhosa Zakhele Sigcawu, que pertence ao clã Tshawe e viajou a Soweto desde a província do Cabo Oriental.

Segundo Zolani Mkiva, presidente e diretor-geral do Instituto da Realeza Africana, cerca de 300 bruxos ou "sangomas" invocaram os antepassados para que fornecessem sua energia e queimaram "impepho", uma erva tradicional, para pedir a Deus e aos antepassados que deem à África do Sul um bom Mundial.

Os bruxos tradicionais disseram que escolheram o Soccer City por ser o estádio onde começará e terminará o torneio, e afirmaram que o processo de comunicação espiritual é sagrado. Após sacrifício, os bruxos mais antigos entraram no estádio e cantaram e dançaram com suas vestimentas tradicionais para abençoar também o interior do recinto.

- Nossos estádios estão agora oficialmente benzidos para o torneio de acordo a nossa cultura - concluiu Mkhiva após a cerimônia.

Fontes:
GloboEsporte
Notícias Cristãs
Blog Silvio Araujo

sexta-feira, 4 de junho de 2010

África do Sul, o país da Copa


Neste período em que as atenções da mídia Internacional estão voltadas para a África do Sul por causa do Campeonato Mundial de Futebol, onde muitos se preocupam com a questão de segurança contra o terrorismo, outros alimentam as curiosidades querendo conhecer a fantástica cultura africana e futebolística, decidí ousar, escrevendo este simples artigo para que possamos lembrar que a África do Sul não é só “O PAÍS DA COPA” mas, um país que necessita do genuíno Evangelho de Jesus Cristo.

Como muitos já sabem, a África do Sul se destaca dos demais países africanos porque além de possuir uma grande riqueza cultural, onde existem 11 idiomas oficiais, também conta com 15 das 20 melhores universidades do continente, o seu sistema financeiro também é padronizado, pois o Banco Sul-Africano se encontra entre os 10 melhores do mundo e 25% do que é produzido no continente vem daqui.

Porém nem tudo é alegria pois estima-se que há aproximadamente 3 milhões de crianças órfãs de pais que morreram após contrair o vírus do HIV/AIDS e que a contaminação média é de 1,8 mil pessoas por dia. Existem favelas onde o índice de contaminados ultrapassa o patamar de 40% da população, e que no geral, 25% da população ativa da nação se encontra desempregada, mesmo com o alto índice de emprego que um evento mundial pode proporcionar a um país. Imagino depois da COPA como esta nação se encontrará... (FONTE: UNESCO/ONU/Dept. Estatísta da África do Sul.)

Apesar do país ser considerado cristão, não podemos negar que muitos destes cristãos são aqueles que professavam a fé no tempo do “Appartheid” (regime político de segregação racial), onde Billy Graham, um dos muitos líderes cristãos se negou de pregar para estes cristãos em uma de suas Cruzadas Evangelísticas, quando notou que havia uma corda que separava os crentes negros dos crentes brancos. E o que dizer da Comunidade Cristã de Sião? Simplesmente a maior Igreja com uma média de 3 mihões de adeptos, onde se mistura práticas e rituais ocultos com a Bíblia.

Daí, vemos outras igrejas que tem por base a ênfase à teologia da predestinação fatalista, outra enfatisa de forma radical a teologia da prosperidade e agora, também a teologia da auto-ajuda. Em uma boa parte destas vemos a influência da teologia carismática em deteriorização à teologia pentecostal. Sem referir em detalhes que existe um grande descrédito às igrejas devido aos escândalos com feitiçaria, corrupção e poligamia entre a liderança das Igrejas.

Há de fato um grande contraste com o que a mídia revela e com o que é vivenciado dia-após-dia; Vemos pessoas necessitando de salvação, de ensinamento bíblico, de conhecer o verdadeiro Senhor. Enquanto a mídia revela um sulafricano feliz, vemos na maioria dos casos, um povo sofrido, sem esperança, amargurados com o ódio racial, morrendo em grande escala, sem discernirmento espiritual.

Neste simples artigo, desejo a convidar-lhe, prezado(a) irmão(a), amante da obra missionária para orarmos mais a Deus e pedir ao Senhor, que o PAÍS DA COPA não seja o país do reino das trevas, da prostituição, do tráfico de crianças, da corrupção, da gerra, como a maioria dos países africanos se tornaram, mas que este país venha ser o PAÍS DO SENHOR JESUS CRISTO.

Amém.

Missionário Shóstenes Pereira
IEADPE em Joanesburgo, África do Sul.

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Milicianos do Congo se convertem a Cristo


Soldados  rebeldes se voltam a Cristo no Congo

´Agora eu sei que posso ser perdoado por Jesus. Esse foi o dia mais feliz da minha vida`, comemora o soldado

Centenas de milhares de pessoas na República Democrática do Congo, África, foram desabrigadas e abusadas por soldados rebeldes. Os ataques têm sido comuns, deixando as mulheres espancadas, estupradas e abusadas.

E para atingir os soldados rebeldes, a União Batista do Leste do Congo desenvolveu uma extratégia ousada. Eles vão aos acampamentos e testemunham para eles. A União Batista consiste de 90 igrejas com 12 mil membros.

Os pastores vão para os campos por duas semanas e partilham de Cristo através de uma série de histórias da Bíblia para explicar a separação do homem de Deus por causa do pecado e da salvação oferecida em Jesus Cristo.

O pastor Ndiho coordena o perigoso ministério. "Sem a permissão dos comandantes, não estamos autorizados a ir e se aproximar dos soldados rebeldes. Temos de nos identificar como servos de Deus e explicar que estamos lá para compartilhar a maravilhosa notícia de Jesus Cristo. Nós mostramos as vantagens de estar em Cristo”, afirma Ndiho.

Segundo o pastor, até agora, mais de 500 rebeldes foram batizados. Alguns se reúnem em um pequeno complexo para contar suas histórias. No início não contam muitos detalhes. Apenas confessam "fiz coisas ruins", mas depois começam a se abrir.

Em uma das reuniões, um mais inquieto, com sua arma automática em mãos, afirmou que "matei pessoas e estuprei mulheres e gostava". Outro combatente afirmou que "matei até crianças", diz outro.

Seus rostos provam a gravidade do que fizeram. Os olhares penetrantes demonstram medo. "Eu realmente não pensava no que eu estava fazendo. Estava apenas fazendo o que eu pensei que eu deveria fazer", diz um.

O pastor conta que seus rostos amolecem quando falam sobre a mudança em suas vidas. "Nós tentamos não pensar sobre o que fizemos - para esquecer - mas é difícil, sabemos que ferimos muitas pessoas e temos muitos pecados", confessa um.

Um dos soldados convertidos disse que agora tudo mudou. “Mas é muito diferente agora. A diferença é que antes eu não sabia de Deus. O que eu fiz, eu fiz para mim. Agora eu sei que eu cometi tantos pecados, e me sinto muito culpado. Mas o pastor disse que Deus pode me perdoar. Agora eu sei que posso ser perdoado por Jesus. Esse foi o dia mais feliz da minha vida", comemora o soldado.

Fonte: Christian News

Publicado em CPADNews - 07/05/2010 - 08:00

terça-feira, 13 de abril de 2010

Minha verdadeira familia - Um testemunho de fe em Banglandesh

Tradução: Eliane Gomes dos Santos

Meu nome é Kanok Sarkar (32). Meu sofrimento começou no dia em que meu pai soube que minha mãe estava grávida de mim.

Eu nasci numa família rica em Hetalbinia, Khulna. Meu pai era dono de propriedades, enquanto minha mãe tomou para si a responsabilidade de dedicar todo o seu tempo e energia em casa. Meus pais desfrutavam de uma boa posição na sociedade, e eles eram um casal feliz. Isso era antes de eu entrar em suas vidas.

Meu pai queria que minha mãe abortasse, mas ela se negou a fazer isso e decidiu fugir. Ela fugiu para a casa de seus pais, onde eu vi a luz do dia. Eu nunca vi meu pai, nem mesmo a sua sombra. Mas, o amor da minha mãe por mim era mais que o suficiente.

Jesus na minha família - Tempos depois, quando eu já era casado e pai, um grupo da Igreja Evangélica Amigos veio ao nosso vilarejo. Eu abri a nossa casa para eles, e eles falaram sobre a salvação de Deus. Essa ideia era uma novidade pra mim. Durante aquele tempo, minha esposa, Manisha, e eu, sempre orávamos, clamávamos, e confessávamos os nossos pecados para muitos deuses (hindus). Apesar de tudo aquilo, nós nunca tivemos paz. E acabamos frustrados e desesperados.

As visitas se tornaram cada vez mais freqüentes. Algumas vezes, eles cantavam e oravam a Deus. Eles compartilharam conosco o ilimitado amor de Deus. Nós não conseguíamos entender, até o dia em que alguns missionários vieram do Nepal, para a nossa alegria. Após cantar lindos louvores, eles falaram sobre Jesus Cristo, que foi o único capaz de carregar os nossos pecados sendo Ele inocente. Na cruz, Ele renunciou a sua vida por nós.

Esta era uma história nova para mim, e eu me alegrei em ouvir isso. Eles também disseram que Jesus desejava entrar em nossos corações se nós O aceitássemos, crendo e recebendo a Ele como nosso Salvador. “Vocês estão dispostos a recebê-lo hoje em seus corações?”.

Eu vi a minha mãe sendo a primeira a levantar a mão e ir à frente para orar. Minha esposa e eu fomos em seguida e recebemos o presente da salvação (em 10 de março de 2008). Estendendo suas mãos sobre nossas cabeças, os missionários oraram por nós. Esta foi a experiência mais incrível pra mim.

Naquele dia, Jesus se tornou parte da nossa família. Nossos irmãos e irmãs em Cristo vinham regularmente e traziam lições sobre o batismo. Sem desfalecer, Manisha e eu recebemos o batismo nas águas num lago próximo (em 15 de abril de 2008). Então desistimos dos ídolos.

O preço de ser diferente - Nossa comunidade não aceitou a nossa conversão. A pressão dos aldeões começou logo após o nosso batismo. Os vizinhos pararam de falar conosco, parecia que nós morávamos sozinhos numa pequena ilha.

Apesar de tudo, nós continuamos firmes em nossa nova fé. Eu fui ao escritório do meu pastor e comprei uma Bíblia bem grande. Minha mãe, faminta por conhecer mais de Deus, leu todo o Novo Testamento, enquanto nós servíamos nossos clientes em nossa barraca de chá. Então, ela começou a compartilhar a Palavra de Deus com nossos clientes.

Eu comecei a levar outros livros. Os livros The Honey Person Jesus (A doce pessoa de Jesus*) e Correct Way (Caminho Certo*) eram bem populares e nós demos alguns aos nossos clientes na nossa barraca de chá, que eu tinha aberto há algum tempo com a permissão dos meus tios. Quando eles souberam da nossa conversão ao cristianismo, a atitude deles em relação a nós mudou.

Uma vez, nós precisamos de um dinheiro para criar uma extensão da nossa barraca de chá para podermos acomodar mais clientes. Nossa igreja com bondade nos ajudou com seu empenho. Mas, meu tio, após ouvir isso, correu para nossa casa. “Porque vocês estão fazendo isso sem a minha permissão?”, ele replicou.

Embora eu tenha admitido que errei neste aspecto, meu tio exigiu que tirássemos a nossa barraca de chá naquele mesmo dia. Procuramos a ajuda do meu pastor, ele nos aconselhou a orarmos e sermos pacientes. Após alguns dias, ele e sua esposa encontraram meu tio e pediram – em nosso favor – que permitisse a barraca de chá em sua terra. Contudo, meu tio insistiu que deveríamos nos mudar imediatamente. Minha família e eu não tínhamos escolha, a não ser remover a nossa barraca de chá – nossa única fonte de renda.

Minha verdadeira família - Eu tentei trabalhar no campo, mas ninguém no vilarejo quis me contratar, porque eu era um cristão. Eu tentei alugar um espaço e começar um pequeno negócio, mas não obtive sucesso.

Era uma frustração após a outra se acumulando. Minha avó descobriu que estava com câncer no fígado e eu fui forçado a pegar um empréstimo a fim de tratá-la na Índia. Pouco tempo depois, ela partiu (em 2008). Eu fui deixado sem emprego, com uma enorme dívida para pagar, com uma família de luto e de estômago vazio. Minha confiança estava quase se desgastando.

Com muita vergonha no coração, eu compartilhei minha situação com meu pastor. No dia seguinte, a igreja me enviou arroz, batata, sal, óleo e cebola. Foi algo inesperado. Eu serei eternamente grato a Deus e a Sua igreja.

A Portas Abertas também me ajudou a ter uma pequena loja de conveniências. Agora está indo muito bem, e recebemos clientes até as 22h. Deus mudou a minha vida totalmente. Eu sou grato à Portas Abertas pela ajuda que me deram.

Minha fé em Cristo está fortalecida agora, e Ele restaurou a minha confiança como um pai, e sustentou minha família. Mesmo em tempos de abundância, eu oro a Ele, compartilho os meus pensamentos e desejos, e realizo a sua vontade.

Para me lembrar sempre do que Jesus fez por mim, eu fiz uma cruz de bambu e a pendurei em frente a minha casa. Essa cruz irá me lembrar sempre que eu não sou mais dono da minha vida, e se eu tiver que sofrer por Jesus, eu farei isso. Eu desejo aprender mais da Bíblia e pregar as Boas Novas. E quero ser um soldado fiel de Cristo. Orem por mim.


Fonte: Portas Abertas * Livros não publicados no Brasil.

1. Kanok está sendo treinado na Escola Dominical de professores. No momento, ele está congregando em sua igreja local e tem aula na Escola Dominical quatro dias na semana. Ore para que a criatividade e a força de Deus estejam com ele neste ministério.

2. Ore para que ele e a sua família continuem firmes em Cristo, apesar do isolamento e discriminação que eles viveram no vilarejo.

3. Vamos pedir a Deus que prospere a loja de Kanok para que ele se torne uma fonte de bênção na comunidade.

Você pode ajudar a outros cristãos perseguidos. Comece procurando o Departamento de Missões de sua igreja e acesse também Projeto de Ajuda Socioeconomica da Missão Portas Abertas.

terça-feira, 23 de março de 2010

VI Forum de Missões do Nordeste

VI Fórum de Missões do Nordeste


Data: de 31 de março a 03 de abril
Local: auditório do “Praia Mar Hotel”
Tema: “O desafio de implantar e fortalecer igrejas em áreas sub-evangelizadas”.

Receberemos pastores e secretários executivos de missões de todo nordeste.

TEMAS DAS PALESTRAS E OS PALESTRANTES:

- Pesquisa de campo: sua importância e como fazê-la (EV. IVANILDO BARROS – NATAL)
- Panorama dos desafios da evangelização no nordeste (LEANDRO MISSIONÁRIO – SEPAL)
- Fortalecendo igrejas e consolidando trabalhos (PR. FRANCISCO PAIXÃO – FORTALEZA)
- Missões em áreas indígenas (MIS. KELEM GASPAR – BELÉM)
- Estratégias para evangelizar e implantar igrejas no sertão nordestino (PR. FRANCISCO MIRANDA – AÇÚ)

INSCRIÇÕES pela manhã no DEPEM até o dia 12 / 03. As vagas são limitadas!

INFORMAÇÕES: 84 3311.4626; 9104.1608
http://www.adnatal.org.br/forummissoes.htm
REALIZAÇÃO: Departamento de Evangelismo e Missões da IEADERN

segunda-feira, 8 de março de 2010

Banho de sangue: muçulmanos atacam cristãos na Nigéria

Os conflitos envolvendo cristãos e muçulmanos na Nigéria já deixaram mais de 12 mil mortos desde 1999, quando foi implantada a "sharia" (lei islâmica) em 12 estados do norte do país.

Um confronto étnico-religioso ocorrido neste domingo (7) perto de Jos, no norte da Nigéria, deixou pelo menos 500 mortos, informou nesta segunda-feira (8) o porta-voz do governo do Estado de Plateau, Gregory Yenlong.

Segundo testemunhas, religiosos muçulmanos da etnia fulani, armados com revólveres, metralhadoras e machados, invadiram as casas das cidades de Dogo Na Hauwa, Ratsat e Jeji e mataram todos que encontraram pela frente, incluindo mulheres e crianças.

Acredita-se que o massacre, ocorrido a menos de 2 km da casa do governador de Plateau, Jonah Jang, tenha sido a resposta dos muçulmanos aos confrontos religiosos com cristãos em janeiro, que deixaram 326 mortos. O incidente foi considerado por membros da própria etnia fulani como uma ação organizada para assassinar os cristãos.

O Governo de Plateau anunciou um funeral coletivo para as vítimas. O presidente interino da Nigéria, Goodluck Jonathan, reuniu-se com as agências de segurança do Estado e afirmou que os soldados estão em alerta vermelha.

O massacre aconteceu mesmo com a imposição de um toque de recolher, que vigora na região das 18h às 6h desde janeiro passado.

Acredita-se que o motivo dos enfrentamentos na região seja a luta pela exploração de terras de cultivo entre cristãos e animistas, de um lado, e religiosos muçulmanos fulanis, do outro.

Os conflitos envolvendo cristãos e muçulmanos na Nigéria deixaram mais de 12 mil mortos desde 1999, quando foi implantada a "sharia" (lei islâmica) em 12 estados do norte do país.

Agência Efe/R7


Leia ainda:
Vaticano diz estar horrorizado com massacre de 500 cristãos na Nigéria
Nigéria - Grupo de muçulmanos atacou cristãos. Mais de cem mortos.
Nigéria-Em quatro dias, grupos muçulmanos e cristãos promoveram um banho de sangue no país (jan/2010)

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Al Qaeda no Iêmen convoca guerra santa contra cristãos, judeus e EUA

O braço da rede terrorista Al Qaeda no Iêmen pediu aos muçulmanos na península Arábica para travarem a jihad, ou guerra santa, contra os cristãos e judeus na região, e atacarem os interesses americanos em todo lugar, em uma gravação publicada na Internet nesta segunda-feira.

"Vocês não têm outro caminho nesta situação a não ser a jihad", disse o número dois do grupo no país, Saeed al Shehri, um ex-detento na prisão americana de Guantánamo, em uma gravação de áudio divulgada em um site islâmico frequentemente usado por grupos extremistas.

As atividades dos extremistas no Iêmen chamaram a atenção mundial depois que a rede Al Qaeda no país reivindicou responsabilidade pela tentativa fracassada de explodir o voo 253 da Northwest Flight nos EUA no dia de Natal de 2009.

O nigeriano Omar Farouk Abdulmutallab, que foi detido ao tentar explodir o avião com um pó explosivo e uma injeção contendo substâncias químicas esteve no país poucas semanas antes da tentativa de ataque, onde teria recebido treinamento.

Analistas temem que o Iêmen entre em colapso devido a uma rebelião xiita no norte do país, a um movimento separatista no sul e à Al Qaeda.

Um dos países mais pobres fora da África, o Iêmen é um dos redutos da rede terrorista, apesar das campanhas de segurança iniciadas pelas autoridades contra a organização comandada pelo saudita Osama bin Laden, cuja família paterna é iemenita.

O braço da rede Al Qaeda no Iêmen publicou no ano passado um vídeo na Internet em que anunciou a mudança de seu nome para Al Qaeda na Península Arábica, em uma aparente tentativa de revitalizar o grupo terrorista na Arábia Saudita, país em que esteve sob forte repressão.

O regime saudita, que governa as duas cidades mais sagrados do islã --Meca e Medina-- mantém um estrito controle social e religioso, seguindo o rígido movimento wahhabita, e combate a Al Qaeda desde maio de 2003, quando terroristas do grupo lançaram bombas contra o país.

O próprio Bin Laden, filho de um empreiteiro iemenita que enriqueceu a serviço da família real saudita, fazia parte da elite saudita e saiu do país no início dos anos 90 quando sua oposição à presença de tropas americana em solo saudita transformou-se em desafio aberto ao governo.

No ano passado, aconteceu o mais ousado ataque atribuído à Al Qaeda na Arábia Saudita nos anos recentes. No último dia 27 de agosto, um terrorista tentou matar o vice-ministro de Interior, príncipe Mohammed bin Nayef Abdel Aziz, detonando os explosivos que tinha dentro de seu corpo.

O governo iemenita recebeu apoio ocidental mais forte depois a tentativa de ataque ao voo 253, e as autoridades do país disseram ter matado dezenas de membros da Al Qaeda em dois ataques em dezembro.

Folha Online 08/02/2010 - 11h55, com agências internacionais

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Portadores de HIV são enterrados vivos em Papua-Nova Guiné

Portadores do vírus HIV, que provoca a Aids, estão sendo enterrados vivos por suas próprias famílias em Papua-Nova Guiné, afirma uma assistente social do país, no oeste do Oceano Pacífico.

Segundo Margaret Marabe, as famílias estão tomando esta decisão porque não têm condições de cuidar dos enfermos ou por medo de contrair a doença.

A assistente diz ter testemunhado o sepultamento de pessoas vivas com seus próprios olhos durante uma viagem de cinco meses pelas montanhas do sul do país.

Estima-se que cerca de 2% dos seis milhões de habitantes de Papua Nova Guiné sejam portadores do HIV, sendo que os diagnósticos de novas infecções aumentam em 30% a cada ano.

Agências de saúde internacionais já alertaram para a necessidade de adotar medidas para evitar que milhares sejam contaminados.

No início do ano, Margaret Marabe, uma conhecida ativista de Papua-Nova Guiné, fez uma campanha de conscientização em uma região do país conhecida como Tari.

"Vi três pessoas [serem enterradas vivas] com meus próprios olhos. Quando ficaram muito doentes e as pessoas não podiam mais tomar conta delas, foram enterradas", disse Marabe a jornalistas.

Ela descreveu um episódio em que uma pessoa gritava "mãe, mãe" enquanto a terra era jogada sobre sua cabeça.

Segundo Marabe, os habitantes dos vilarejos disseram que esse tipo de acontecimento era comum.

A ativista, presidente da organização humanitária Igat Hope, que lida com portadores do HIV, disse que as pessoas em regiões remotas do país não têm conhecimentos sobre a Aids.

Ela pediu ao governo que tome providências com urgência.

"Não há centros de treinamento para voluntários em Tari. Também não há programas de treinamento sobre o HIV", disse a assistente social ao jornal "Post-Courier", da Papua-Nova Guiné.

Em entrevista à BBC no ano passado, o ministro da Saúde do país, Nicholas Mann, disse que a variedade de línguas e culturas existentes no país tornava mais difícil conscientizar a população sobre a Aids.

Ele acrescentou, no entanto, que o primeiro-ministro, Michael Somare, tinha assumido responsabilidade sobre o assunto, e que o governo estava trabalhando com agências em uma ação coordenada para lidar com a crise.

A Aids é transmitida no país principalmente por meio de contato sexual entre homem e mulher, e os infectados são vistos como vítimas de bruxaria.

Segundo autoridades e pesquisadores, mulheres acusadas de bruxaria são torturadas e mortas por grupos que as acusam de ser responsáveis pela epidemia.

Líderes da igreja descreveram casos de pacientes que foram jogados do alto de pontes ou deixados em quintais até morrerem de fome, disse o repórter da BBC em Sydney, Phil Mercer.

Fonte: BBC Brasil

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Crianças sacrificadas em rituais na Uganda


Ex-curandeiros simulam uma cerimônia de iniciação em Lira, no norte de Uganda

Ex-curandeiros simulam uma cerimônia de iniciação em Lira, no norte de Uganda.

Uma investigação da BBC revelou que rituais envolvendo o sacrifício de crianças em Uganda são muito mais frequentes do que se imaginava e, segundo autoridades do país, estariam aumentando. Um curandeiro levou a equipe de jornalistas ao seu altar secreto e disse que tinha clientes que regularmente capturavam crianças e traziam seu sangue e órgãos para serem oferecidos aos espíritos.

Também falando à BBC, um ex-curandeiro que hoje faz campanha para o fim dos sacrifícios confessou, pela primeira vez, que matou 70 crianças, incluindo o próprio filho. O governo de Uganda disse que a prática de sacrifícios humanos está aumentando no país. Segundo o chefe da Força-Tarefa Contra o Tráfico e Sacrifício de Humanos, Moses Binoga, os crimes estão diretamente vinculados a um maior desenvolvimento e prosperidade e a uma crença cada vez maior de que a feitiçaria pode ajudar a pessoa a enriquecer rápido.

Depoimento

Segundo um curandeiro envolvido na prática, os clientes vão até ele em busca de dinheiro. "Eles capturam filhos de outras pessoas e depois trazem sangue e órgãos direto para cá para oferecer aos espíritos", disse o homem à BBC. "Eles trazem (as oferendas) em latas pequenas e as colocam sob a árvore de onde ouvem as vozes dos espíritos". Quando indagado com que frequência o sangue e os órgãos eram trazidos, o feiticeiro respondeu: "Em média três vezes por semana". No altar, a reportagem da BBC viu um jarro com sangue e o que parecia ser um fígado de tamanho grande. Não foi possível determinar se se tratava ou não de material humano. Durante as investigações, o altar deste curandeiro, situado na região norte de Uganda, foi queimado por militantes que fazem campanha contra os sacrifícios humanos. O homem negou estar envlvido em ou ter incitado assassinatos, dizendo que os espíritos falam diretamente aos clientes. Ele disse que recebe cerca de US$ 260 por consulta mas acrescentou que a maioria do dinheiro vai para seu "chefe".

O diretor da organização criada para combater os sacrifícios humanos, comissário-assistente Moses Binoga, da polícia de Uganda, disse conhecer o chefe mencionado pelo curandeiro. Segundo o comissário, o homem estaria envolvido em cinco ou seis cartéis de proteção a curandeiros operando no país. Binoga disse que em 2009 a polícia abriu 26 inquéritos sobre assassinatos onde havia sinais de sacrifícios rituais, em comparação com apenas três casos desse tipo em 2007. "Também temos cerca de 120 crianças e adultos desaparecidos cujo destino ainda não foi estabelecido. Não podemos excluir a possibilidade de que tenhamr sido vítimas dos rituais de feitiçaria". Entidades de campanha pela proteção de crianças dizem, no entanto, que o número é muito maior, já que alguns desaparecimentos não são comunicados à polícia.

Imagem de dois feiticeiros ugandenses.

Militância

O ex-curandeiro e hoje militante pelo fim dos sacrifícios humanos Polino Angela disse que conseguiu persuadir 2.500 pessoas a abandonar a prática desde que ele próprio deixou a atividade, em 1990. Angela disse que foi iniciado em uma cerimônia no país vizinho Quênia. Na ocasião, um menino de 13 anos foi sacrificado. "A criança foi cortada no pescoço com uma faca, depois, todo o comprimento, desde o pescoço até embaixo, foi aberto e a parte aberta foi colocada sobre mim", disse o ex-curandeiro.

Ao retornar a Uganda, o feiticeiro foi ordenado a matar seu próprio filho. "Enganei minha esposa, me certifiquei de que todos tinham saído e de que estava à sós com meu filho. Uma vez que ele estava de bruços no chão, usei uma faca grande como uma guilhotina". Hoje, Angela acredita estar se redimindo do que fez. "Estive em todas as igrejas e sou conhecido como um guerreiro na luta para pôr fim à feitiçaria que envolve o sacrifício humano, acho que isso me 'compensa' e me exonera", disse Angela.

O ministro da Ética e Integridade do país, James Nsaba Buturo, disse que "punir retrospectivamente causaria problemas... se pudermos persuadir os ugandenses a mudar, acho muito melhor do que voltar ao passado". Entidades de proteção à criança vêm tentando chamar a atenção para casos recentes de sacrifícios rituais e pedem que novas leis sejam criadas para regulamentar as atividades dos curandeiros.

Sobrevivente

Em um processo contra um suposto feiticeiro que deve ser julgado neste ano em Uganda, a polícia contará com o depoimento de um menino que sobreviveu ao sacrifício. Mukisa tem três anos de idade e quase morreu após seu pênis ter sido decepado. Ele sobreviveu graças à ação rápida dos cirurgiões e mais tarde disse à polícia que tinha sido mutilado por um vizinho que, segundo relatos, possui um altar de sacrifícios. Falando à BBC, a mãe de Mukisa disse: "Toda vez que olho para ele, me pergunto como será seu futuro, um homem sem um pênis, e como ele será visto na comunidade".

Fonte: BBC

NOTA: O que está acontecendo em Uganda, ao que tudo indica, não é um fato isolado. Na África, percebe-se que a prática do xamanismo animista vem crescendo, inclusive com o apoio da preservação (e até a expansão) , pela ONU. As raízes de vários ritos xamânicos no interior da África, bem como nos povos andino - especialmente o que se nos ficou de legado do que era comum nas épocas maia e asteca -, são cada vez mais ovacionadas e vistas como "manifestações culturais" destes povos que devem ser preservadas, de acordo com a entidade. Isto deve acontecer porque não são os filhos doa parlamentares do Ocidente ou da ONU que estão tendo suas gargantas cortadas e sendo abertos ao meio, numa forma extremamente material e horrenda de expressarem o ápice deste tipo de prosperidade: a cobiça por bens materiais!

Em Cristo Jesus,

Pr. Artur Eduardo